1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Home / Notícias / INTERIORIZAÇÃO

Operação governamental integra imigrantes venezuelanos à sociedade

De acordo com representante do projeto, quando o imigrante se declara refugiado, ele pode ter uma vida de cidadão comum brasileiro

18 de setembro de 2019 - 11:54

Cerca de 520 venezuelanos entram no Brasil diariamente pela cidade de Pacaraima, em Roraima, e um programa do governo federal tem feito a diferença na vida dessas pessoas. O projeto batizado de Operação Acolhida tem como objetivo integrar esses imigrantes à sociedade brasileira, em parceria com mais de cem agências e entidades governamentais e da sociedade civil.

“Trata-se de esforço conjunto que nos dá um resultado muito positivo”, foi o que disse o coronel Souza Holanda, que integra o projeto, durante a 2ª Reunião de Diretoria da CACB, realizada nesta quarta-feira (18), em Brasília. Holanda apresentou o programa e declarou que mais de 18 mil imigrantes já foram interiorizados desde o início da Operação Acolhida.

De acordo com o coronel, essas pessoas chegam ao Brasil em situação totalmente vulnerável e sem ter para onde ir e a maioria, por diversos motivos, não se declara como refugiado, o que tira deles a oportunidade de interiorização. “Quando eles se declara como refugiado, é vacinado, recebe um CPF, um documento de refúgio e uma carteira de trabalho. A partir daí, ele se torna praticamente um brasileiro”, disse o coronel.

Como em Roraima não existem muitas empresas, o projeto tem uma logística especial para a retirada deste refugiado de Roraima para outro estado brasileiro, com direito a abrigo e a um emprego, oferecido por empresas que têm parceria com a Operação Acolhida. “É um formato muito nobre, dado que o empregador está dando oportunidade a um imigrante que ele vai receber pronto, de acordo com o perfil que procura e com toda a documentação em dia”, explicou.

“Nós temos tudo a ver com isso. Antes de sermos empresários, somos cidadãos. Trata-se de pessoas que abandonam seu país apenas para tentar sobreviver e isso precisa chamar a nossa atenção”, disse o presidente da CACB, George Pinheiro.

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311