CACB

  1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Home / Notícias / JOVEM EMPREENDEDOR

Na China, Conaje assina comunicado G20YEA e se compromete a cobrar do governo brasileiro incentivos para o empreendedorismo

O documento está alinhado com as prioridades dos diversos grupos de trabalho no processo do G20YEA e oferece dez recomendações acionáveis para governos para promover uma cultura de apoio ao empreendedorismo, à inovação e apoiar jovens empresários

09 de setembro de 2016 - 15:01

 

img-20160909-wa0003

Representando o Brasil no encontro da Cúpula da Aliança dos Jovens Empreendedores do G20 2016 (G20 Young Entrepreneurs´ Alliance Summit 2016), a Confederação Nacional dos Jovens Empresários (Conaje), por meio do presidente Fernando Milagre, assinou em Pequim, na China, o comunicado do G20YEA, que serve como compromisso para cobrar mais efetividade dos governos do G20 em focar em ações voltadas para o empreendedorismo, inovação e educação empresarial. O documento, que é assinado pelos representantes dos países do G20, tem como proposta moldar políticas econômicas globais que possam levar a uma maior igualdade de emprego e crescimento.

O comunicado está alinhado com as prioridades dos diversos grupos de trabalho no processo do G20YEA e oferece dez recomendações acionáveis para governos para promover uma cultura de apoio ao empreendedorismo, à inovação e apoiar jovens empresários. Por meio do documento, a Conaje se comprometeu a cobrar e fiscalizar do governo brasileiro a adoção de medidas que possam beneficiar o empreendedorismo jovem e contribuir para a geração de emprego e renda. Entre as medidas que integram o comunicado estão investimentos na educação, apoio à criação de incubadoras e aceleradoras, fortalecimento de rede-anjo, redução de burocracia para a abertura de empresas, incentivos fiscais, apoio para abertura ao comércio exterior, infraestrutura digital de qualidade, entre outros.

A legitimidade das recomendações é baseada na credibilidade e entrada de centenas de jovens empresários de todos os países da cúpula e também é reflexo da investigação, em profundidade, sobre o ecossistema empresarial nos países do G20 – conduzida conjuntamente ao longo dos últimos anos com parceiros de conhecimento e grupos de pesquisa.

A Conaje representa o Brasil no encontro do G20YEA, que ocorre entre os dias 8 e 10 de setembro de 2016, em Pequim, na China. O evento tem o tema ‘Inovação Revolucionária. Empreendedorismo Inteligente’, e reúne representantes de países como Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Coréia do Sul, Arábia Saudita, Turquia, Reino Unido, EUA, África do Sul e Argentina, além da União Europeia.

 

Confira as dez recomendações:
Adquirir competências empresariais por meio da educação
1 – Tornar obrigatória a educação empresarial para todos os alunos nos níveis primário e secundário. Os governos do G20 foram convocados para aumentar o financiamento para a educação, empreendedorismo e apoiar o ensino de competências empresariais, incluindo competências digitais, criação de risco e liderança. Os sistemas de educação em todos os países do G20 devem também incentivar a agilidade na aprendizagem, bem como a criatividade entre os alunos.

2 – Incentivar e apoiar a criação de incubadoras de universidades e aceleradoras em parceria com o setor privado, instituições e fundações. Estudantes universitários em países do G20 devem ter a oportunidade de começar um negócio durante os seus estudos, com o apoio e os recursos de sua instituição. Os governos do G20 foram cobrados a aumentar em 50%, em cinco anos, o número de estudantes universitários envolvidos em empreendedorismo.

Iniciando e escalar um negócio
3 – Dirigir o desenvolvimento de redes de anjo e plataformas de financiamento alternativas para jovens empresários, por meio de incentivos específicos. O acesso ao financiamento desempenha um papel crítico no sucesso de empresas em estágio inicial. Os governos do G20 foram cobrados a incentivar incubadoras e aceleradoras para apoiar empreendimentos em estágio inicial através de capital e orientação, garantir que as start-ups tenham acesso a redes de anjo fortes e vibrantes e financiamento plataformas, apoiado por um apoio mais amplo e orientação em seus países. Essas nações do G20 devem garantir abordagens claras e estratégicas para a regulação para promover a inovação em plataformas e alternativas FINTECH e facilitar o desenvolvimento de financiamento não bancário, incluindo o financiamento de capitais próprios.

4 – Implementar reformas estruturais e legais para promover o empreendedorismo através da redução de custos, burocracia, interrupção dos negócios e as lacunas legais. Burocracia desnecessária e as barreiras relacionadas de custos em excesso, interrupção dos negócios, e as lacunas legais continuam a inibir os empresários em todo o G20. Os governos da cúpula foram cobrados para definir um alvo “5/20”, pelo qual os empresários em todos os países do G20 devem, até 2020, serem capazes de registrar uma empresa em não mais do que cinco dias. Nós também exortamos os Governos para definir diretrizes sobre governança clara e regulamentação em matéria de proteção IP de ativos digitais para as PME e empresários, privacidade de dados e segurança, incluindo o uso, direitos de dados e qualidade.

5 – Permitir às PME (pequenas e médias empresas) escala através de incentivos fiscais. Após a fase de arranque, as PME precisam de apoio para crescer e criar empregos. O fluxo de caixa é crucial durante esta fase. Os países do G20 foram cobrados para ter um sistema fiscal estável e incentivos financeiros para apoiar as PME a ampliar suas operações. Os governos também devem se comprometer a se concentrar em reduzir as barreiras/condução incentivos para o acesso entre fronteiras no G20 para que empresários possam, facilmente, acessar o suporte para dimensionar seus negócios e tornarem-se globais.

6 – Implementar política de assistência a jovens empresários para o comércio com outros países. A tecnologia tem permitido que empresas menores possam expandir em mercados globais. Então, o documento cobra dos governos do G20 a adoção de políticas e incentivos para apoiar jovens empresários a expandir-se para mercados externos. A intenção é encorajar os países do G20 a implementar medidas como a inclusão de jovens empresários em missões comerciais, formação de diplomatas e comissários comerciais e a criação de centro de coworking, além de serviços de incubadoras para os exportadores em início de carreira em missões diplomáticas (escritórios comerciais, embaixadas e consulados).

7 – Estabelecer uma Plataforma Mundial do Comércio eletrônico (e-ETA) para simplificar a regulamentação e harmonização das barreiras alfandegárias e as tarifas para incentivar e-commerce global. Os países do G20 foram cobrados para incentivar um diálogo público-privado em torno eWTP para melhorar o ambiente mundial de negócios para e-commerce, para impulsionar o desenvolvimento da infraestrutura de e-commerce e garantir que processos de compras governamentais sejam feitas de forma mais aberta para as pequenas empresas de jovens empresários.

8 – Estabelecer um Empreendedor G20 Visa para fornecer visto multilateral de longa duração e folga fast-track para empresários dentro dos países do G20. À medida que a economia digital e do comércio internacional continuam a conduzir uma parte crescente do crescimento no G20, o documento cobra dos países do G20 para promover o livre fluxo de talento inovador através das fronteiras. Foi solicitado ao G20 para definir o ano de 2020 como um alvo para que todos os países possam ter um programa de vistos empreendedor para facilitar a mobilidade, criação de emprego e desenvolvimento de infraestrutura.

9 – Garantir o acesso à infraestrutura digital, com baixo custo e alta velocidade confiável para start-ups e scale-up empresas. A economia digital global cresce sobre a base de informação forte e comunicações tecnologia (ICT). Para tirar partido das oportunidades de ruptura digitais, os empresários precisam de conectividade contínua com os seus pares, indústria e investigação. O documento cobra dos países do G20 para definir como meta que todos os países do G20 tenham 5G até 2022.

10 – Construir um diálogo inovação entre os países do G20. Nesta época de inteligência artificial, big data e segurança cibernética, os governos do G20 foram cobrados a cooperar com as empresas para construir uma plataforma aberta para todos os países do G20. Esta plataforma poderá promover o livre fluxo de ideias por meio das fronteiras e ajudará os empresários inovadores a criarem redes globais entre os países do G20. Este diálogo deve destacar a importância da colaboração da indústria e o papel de uma sólida governança para harmonizar a privacidade e segurança de dados legislação.

Fonte: Conaje

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311