1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Home / Notícias / MEIO AMBIENTE

É preciso um modelo de preservação conciliado ao desenvolvimento econômico, diz ministro na ACSP

O ministro explicou que todas as ações econômicas podem ser realizadas com cuidados ambientais

27 de agosto de 2019 - 09:49

Em palestra na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), nesta segunda-feira (26/8), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que é responsabilidade do País escolher e executar um modelo de preservação economicamente viável, que saiba conciliar o desenvolvimento econômico com a preservação.

Ele citou o polêmico caso da Amazônia – uma região muito rica em recursos naturais e em biodiversidade, mas que abriga mais de vinte milhões de brasileiros em situação de pobreza e índices como, saneamento e desenvolvimento baixíssimos.

Embora seja um tema complexo, por trazer consigo assuntos de grande repercussão mundial, Cotait disse que as principais ameaças à natureza – como a poluição das águas – passa também pela conscientização da sociedade, que em vez de despertar uma percepção negativa em muitos, deveria ser um elemento de engajamento.

“O Brasil é extremamente complexo, mas não podemos fazer do meio ambiente um obstáculo para o desenvolvimento econômico. Nossas reservas ambientais precisam de viabilidade econômica para poder ter sustentabilidade”, afirmou.

O ministro explicou que todas as ações econômicas podem ser realizadas com cuidados ambientais – atividades potencialmente poluidoras e que em vez de degradar podem ser feitas dentro dos fatores corretos de licenciamento, seguindo os parâmetros pré-estabelecidos. “Por outro lado, deixar essas atividades na ilegalidade gera um efeito devastador. Nas últimas décadas, somamos mais de 800 garimpos ilegais na Amazônia. É um ciclo que pode ser virtuoso ou vicioso”, disse.

Salles também falou sobre o empenho do Ministério do Meio Ambiente em melhorar a qualidade ambiental urbana. Nas palavras do ministro, outras administrações e órgãos tentam desviar o foco da discussão para temas, como a Amazônia, enquanto o grande problema do Brasil está nas cidades com a questão do lixo e saneamento.

Saneamento, gestão do lixo, qualidade do ar, aumento da área verde no perímetro urbano, áreas contaminadas e combate ao lixo no mar. Essas são as prioridades da agenda do ministro para melhorar os índices ambientais em sua gestão.

Confira a plenária com o ministro no link https://bit.ly/30DPjaq.

Fonte: Facesp

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311