CACB

  1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Home / Notícias /

Temer diz que não cortará nenhum direito trabalhista e que combaterá críticos

14 de setembro de 2016 - 14:52
Presidente diz que irá desmentir versões que 'correm pelas ruas' - Pedro Ladeira/Folhapress

Presidente diz que irá desmentir versões que ‘correm pelas ruas’ – Pedro Ladeira/Folhapress

O presidente Michel Temer afirmou que irá combater os críticos que acusam o seu governo de querer retirar direitos dos trabalhadores. Em um duro discurso nesta quarta (14), o peemedebista afirmou que irá desmentir versões “que correm pelas ruas” e que é desagradável imaginar que “somos um governo cidadão tão estupidificado, tão idiota que chega ao poder para restringir os direitos dos trabalhadores, para acabar com saúde e para acabar com educação”.

Temer pediu ainda que os deputados e senadores de sua base aliada usem as tribunas da Câmara e do Senado para rebater as acusações de que a proposta enviada ao Congresso para estabelecer um teto para os gastos públicos afetará o montante dos recursos destinados à saúde e educação.

“E eu digo com isso, e peço licença para dizer que isso é inadmissível porque quando nós falamos em teto de gastos, estamos falando da totalidade dos gastos. Do teto de gastos públicos. É preciso que tenhamos consciência disso. Os deputados e senadores vão para a tribuna e contestem aqueles que possam eventualmente vilipendiar os fatos”, afirmou.

Temer participou de um evento no Palácio do Planalto nesta manhã em que o ministro da Saúde, Ricardo Barros, apresentou as ações da pasta para a gestão da melhoria da saúde pública.

IMBRÓGLIO

Temer subiu o tom quando falou sobre o imbróglio causado pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que afirmou em reunião com sindicalistas que os trabalhadores poderiam ter uma carga horária de até 12 horas. O presidente rebateu a tese e explicou que a carga horária seria apenas para as categorias que aceitassem em convenção e com dias de folgas estabelecidos.

“E o que bombou nas redes foi isso de que o governo estava exigindo 12 horas por dia. […] Mas isso é o que interessou aos jornais, é o que se alardeia ou que se divulga, e se deixa de reproduzir a verdade dos fatos. Isso cria problemas para nós porque, convenhamos, é desagradável de imaginar que nós somos um governo cidadão que, com o perdão da palavra, tão estupidificado, tão idiota que chega ao poder para restringir os direitos dos trabalhadores, para acabar com saúde, para acabar com educação”, disse Temer.

A reação do presidente demonstra a preocupação do governo com o possível crescimento dos protestos contra ele no momento em que as reformas da Previdência e trabalhista forem enviadas ao Congresso nos próximos meses. A estratégia é tentar convencer a população que elas são imprescindíveis para o equilíbrio econômico do país.

O presidente ressaltou também que as informações correm em velocidade muito maior hoje em dia por causa das redes sociais que, para ele, “têm poder extraordinário”. “É preciso combatê-los e eu vou combatê-los. Não vamos permitir que se faça isso. Nós queremos, por acaso, o mal do país? Ao contrário”, completou.

O presidente voltou a falar que o país precisa passar por sacrifícios para recuperar a economia mas enfatizou que não irá “tirar direitos de ninguém”.

“Essas vozes todas desconhecem que a responsabilidade fiscal é pressuposto de qualquer sistema público, de saúde e educação. Desconhecem que a proposta do teto não obriga qualquer redução de gastos em saúde e educação. E que a volta do crescimento do país reverberá em financiamento mais abundante para os serviços públicos”, disse após citar o programa de concessões lançado nesta terça (13).

Mais cedo, Temer publicou em sua página oficial no Twitter um vídeo em que diz que o governo não impedirá o saque do FGTS em caso de demissão. “não há nenhum pensamento sobre esta matéria no governo. O FGTS continuará a exercer o seu papel como vem exercendo ao longo do tempo”, disse.

Temer destacou que os recursos recebidos por meio da contribuição dos trabalhadores para o fundo foram “utilíssimos” para a ampliação de moradias. Ele anunciou que serão aplicados mais de R$ 218 bilhões em habitação, saneamento básico e infraestrutura urbana. “Vamos continuar a usar estes recursos para ampliar estas e outras atividades do poder público”, disse. A criação do FGTS completa 50 anos.

SAÚDE

No evento desta quarta, que mostra uma tentativa do governo em investir em uma agenda positiva, o ministro Ricardo Barros anunciou um repasse de R$ 1 bilhão para financiamento de serviços de saúde como UPAs, Santas Casas e hospitais filantrópicos, além da compra de mais medicamentos para hepatite C.

Os valores, disse, foram obtidos após corte de 417 cargos na pasta e renegociação de contratos e de preços de medicamentos adquiridos no exterior. O anúncio, no entanto, ocorre em meio a relatos sobre a possível mudança na configuração da equipe de ministros do governo após o impeachment.

Nas últimas semanas, Barros gerou incômodo em auxiliares de Michel Temer devido a suas declarações polêmicas, como a de que “os homens trabalham mais do que as mulheres”, e às rusgas frequentes com entidades em defesa do SUS.

Temer, no entanto, deu um afago no ministro nesta quarta. “Todos sabemos que é um bom administrador. Quero promovê-lo a ótimo administrador”, disse a Barros.

Fonte: Folha de S. Paulo

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311