1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Home / Nacional / Desempennho

Número de empresas e organizações ativas cai 0,4% em 2017

O número de empresas chegou a 5 milhões em 2017

26 de junho de 2019 - 11:08

O número de empresas e outras organizações formais ativas no país chegou a 5 milhões em 2017, que ocuparam 51,9 milhões de pessoas, das quais 45,1 milhões eram assalariadas. Em comparação a 2016, houve queda de 0,4% no número de empresas e organizações formais brasileiras em atividade.

O pessoal ocupado total cresceu 1% em 2017 frente a 2016, o que significou mais 528,1 mil pessoas, enquanto o pessoal ocupado assalariado evoluiu 1,2% (550,7 mil pessoas).

Os dados constam do Cadastro Central de Empresas (Cempre), divulgado hoje (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As organizações formais ativas incluem administração pública e entidades sem fins lucrativos. Os sócios e proprietários, que somavam 6,9 milhões de pessoas em 31 de dezembro de 2017, experimentaram redução de 0,3% em relação ao ano anterior.

Segundo explicou a analista da pesquisa do Cempre, Denise Guichard Freire, o aumento observado no pessoal ocupado total e no pessoal ocupado assalariado reverteu a tendência de queda ocorrida nos dois anos anteriores.

A sondagem mostra que de 2016 para 2017, tanto o total de salários e outras remunerações quanto o salário médio mensal subiram, respectivamente, 2,4%, e 4,9%, em termos reais, isto é, descontada a inflação do período. Os salários e outras remunerações pagos em 2017 atingiram quase R$ 1,7 trilhão, e o salário médio mensal ficou em R$ 2.848,77, ou o equivalente a três salários mínimos.

Atividades

Por atividade econômica, o comércio, no recorte reparação de veículos automotores e motocicletas, liderou em 2017, em termos de número de empresas e outras organizações (37,5%), pessoal ocupado total (21,9%), com 11,37 milhões, e pessoal ocupado assalariado (19,5%), com 8,8 milhões, caindo para a terceira posição em termos de salários e outras remunerações (12,7%).

As entidades de administração pública, defesa e seguridade social lideraram em massa salarial, com 24,4% do total, ocupando a segunda posição em pessoal assalariado (17,1%). As indústrias de transformação ocupam a segunda colocação em pessoal ocupado total (15%) e salários e outras remunerações (16,9%), detendo a terceira classificação no total de empresas (7,9%) e pessoal ocupado assalariado (16%). As atividades administrativas e serviços complementares mostraram o segundo maior percentual de empresas (9,4%).

Os maiores aumentos de pessoal assalariado foram observados em saúde humana e serviços sociais (16,6%) e em educação (8,2%), enquanto construção e outras atividades de serviço apresentaram as maiores quedas (-7,5% e -7,1%, respectivamente). Denise destacou que “houve avanço importante nas áreas de saúde e educação, onde a mão de obra feminina é mais preponderante que a masculina”.

Salários médios

Em termos salariais, a pesquisa registra que os maiores salários médios mensais foram pagos pelas áreas de eletricidade e gás (R$ 7.643,38) e atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (R$ 6.299,76). Esses valores ficaram 168,3% e 121,1% acima da média, segundo o Cempre. “São poucas empresas, têm um contingente de pessoas com nível (de ensino) superior e boa formação, o que acaba puxando a média para cima”, disse Denise.

No outro extremo, com os menores salários médios mensais pagos em 2017, aparecem alojamento e alimentação (R$ 1.476,34), atividades administrativas e serviços complementares (R$ 1.769,79) e comércio, na seção reparação de veículos automotores e motocicletas (R$ 1.871,15). “O comércio apresenta o maior contingente de pessoas ocupadas, mas é o terceiro menor salário”, comentou a analista.

A pesquisa mostra também que do total de 5 milhões de empresas e organizações formais ativas existentes no Brasil em 2017, a maior parte, ou o correspondente a 4,40 milhões, tinha até 9 pessoas ocupadas, com o menor salário médio mensal (R$ 1.544,97). Por outro lado, as empresas e organizações de maior porte, com 250 empregados ou mais, somavam apenas 19.475, mas apresentavam o maior salário médio mensal, de R$ 3.651,18. “As menores empresas estão tendo mais dificuldades de manter empregos e salários”.

Sexo e escolaridade

A pesquisa revela expansão no número de homens e mulheres assalariados em 2017 (0,9% e 1,7%, respectivamente). Entretanto, o sexo masculino prevaleceu, com 55,4% do pessoal ocupado assalariado, contra 44,6% de representantes do sexo feminino. Isso se reflete nos salários médios mensais: os homens receberam R$ 3.086,00 por mês, enquanto para as mulheres o salário médio foi R$ 2.555,84 por mês, ou o correspondente, respectivamente, a 3,3 e 2,7 salários mínimos por mês.

“Por nível de escolaridade, predomina a mão de obra sem nível superior”, informou Denise Guichard Freire. Observou-se que 77,4% do pessoal ocupado assalariado em 2017 não tinham nível de ensino superior e recebiam 53,5% do total de salários e outras remunerações pagas, ganhando salário médio mensal de R$ 1.971,82, equivalente a 2,1 salários mínimos/mês. Em contrapartida, somente 22,6% dos trabalhadores assalariados tinham nível superior, recebiam 46,5% do total de salários pagos, mas tinham salário médio mensal da ordem de R$ 5.832,38, que equivalia a 6,2 mínimos.

Na análise por sexo, percebe-se incremento de 5,7% nos salários das mulheres de 2016 (R$ 2.418,00) para 2017 (R$ 2.555,80) e de 4,4% nos salários dos homens (de R$ 2.955,40 para R$ 3.086,00). Por nível de escolaridade, foi apurado avanço de 3,7% para o pessoal assalariado com nível superior (de R$ 5.561,68 para R$ 5.832,38) e de 3,5% para o pessoal assalariado sem nível superior (de R$ 1.905,50 para R$ 1.971,82).

Natureza jurídica

Tomando por base a natureza jurídica das empresas e organizações formais ativas no país em 2017, constatou-se que a administração pública mostrou maiores ganhos no que se refere ao total de organizações, que cresceu 3,8%, pessoal ocupado total e pessoal assalariado (+7,3% cada), e total de salários e outras remunerações (+5,2%).

A sondagem revela ainda que o salário médio mensal em 2017, segundo a natureza jurídica, se situou em R$ 4.088,04 na administração pública, R$ 2.469,54 nas entidades empresariais e R$ 2.716,54 nas entidades sem fins lucrativos. Em todos os tipos de organizações por natureza jurídica, o salário médio mensal dos homens superou o das mulheres, sendo a maior diferença encontrada na administração pública: R$ 4.778,32 para o sexo masculino e R$ 3.606,65 para sexo feminino.

A abordagem por nível de escolaridade mostrou que o maior salário médio mensal (R$ 6.132,56) foi encontrado nos empregados das entidades empresariais com nível superior, seguindo-se a administração pública (R$ 5.764,67) e entidades sem fins lucrativos (R$ 4.780,88).

Por regiões

Os maiores salários médios foram encontrados no Distrito Federal (5,4 salários mínimos), Amapá (3,8 salários mínimos), Rio de Janeiro e São Paulo (3,5 salários mínimos cada). Os menores salários médios ficaram com a Paraíba e Alagoas (2,2 salários mínimos cada), seguidos do Ceará (2,3 mínimos).

Entre as regiões, o Sudeste se destacou em relação ao maior percentual de unidades locais (50,5%), pessoal ocupado em 31 de dezembro de 2017 (49,6% do total), pessoal ocupado assalariado (49,3%) e massa salarial (52,7%).

 Agência Brasil  Rio de Janeiro

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Neusa Galli Fróes
    Froés berlato associadas

    Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • neusa@froesberlato.com.br
    Telefones:
    (51) 3388 6847 / (51) 9123 6847

    E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311