1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Home / Notícias / Economia

Estados do Norte mantêm ritmo de crescimento na contramão do país, mostra estudo

Economias da região Norte apresentaram estabilidade ou até leve crescimento ao longo deste ano

03 de setembro de 2018 - 10:44

Na contramão da desaceleração observada na economia brasileira, os estados da região Norte estão conseguindo manter o ritmo de crescimento ao longo deste ano e, dessa forma, têm traçado um cenário diferente do observado no resto do país. Nas demais regiões, quase todos os estados têm desapontado e apresentado um crescimento mais tímido do que o esperado. Os dados são de um levantamento do banco Itaú.

No segundo trimestre de 2018, a economia brasileira cresceu 0,2% na comparação com os três meses anteriores, mas perdeu fôlego na comparação com o mesmo trimestre de 2017, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados oficiais dos PIBs dos estados são divulgados apenas em relação ao ano fechado.

Entre o fim do primeiro e do segundo trimestre deste ano, com exceção do Amapá, todas as economias do Norte tiveram uma leve aceleração no crescimento econômico ou mantiveram uma estabilidade em um patamar de atividade razoável, segundo um estudo realizado pelo banco Itaú Unibanco.

A economia do Amazonas encerrou junho com avanço do Produto Interno Bruto (PIB) de 6,4%, acima do observado em março (6,1%). Outra grande economia da região, o Pará também teve um leve aumento no crescimento, passando de 3% para 3,1% no mesmo período.

“O que se observa com a abertura dos dados regionais é que a região Norte não desacelerou como ocorreu com outros locais do Brasil”, afirma o economista do banco Itaú Unibanco e responsável pelo levantamento, Artur Passos.

A estimativa do desempenho do PIB dos estados realizada pelo Itaú traz o resultado acumulado em 12 meses e, dessa forma, consegue evitar a influência de efeitos sazonais. O estudo leva em conta uma série de indicadores, como a produção industrial, o desempenho do varejo e de serviços, além da criação de empregos formais medida pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

É justamente a análise detalhada dos números dos estados do Norte que deixa evidente esta estabilidade na atividade econômica do Norte. No Amazonas, a produção industrial avançou 10,9% nos 12 meses acumulados em junho, enquanto o comércio subiu 9,1%. No Pará, as altas registradas foram de 9,6% e 7,5%, respectivamente.

Economia brasileira mais fraca

Ao longo deste ano, a economia brasileira tem apresentado um desempenho abaixo do esperado. No início do ano, os analistas chegaram a estimar um crescimento próximo de 3%, o que seria um desempenho bem melhor do que o de 2017, quando o país cresceu apenas 1%.

No último relatório Focus, do Banco Central, no entanto, as previsões para este ano já estava mais próximas de 1,5%.

O próprio Itaú percorreu o mesmo caminho. O banco chegou a estimar um avanço do PIB de 3% para este ano, mas atualmente trabalha com uma projeção de apenas 1,3%.

“A economia brasileira tem perdido força. Do segundo para o terceiro trimestre deveremos ter um crescimento baixo”, afirma Passos. “A expectativa era de que o desempenho do varejo neste ano fosse melhor e, além disso, a receita do setor de serviços está bastante fraca.”

Outras regiões

A análise do desempenho econômico dos outros estados mostra uma economia em queda ou com baixo crescimento em todos os locais.

No Centro-Oeste, por exemplo, bastante ajudado pelas safras recordes, Mato Grosso encerrou junho com avanço do PIB de 6,7%. É o maior crescimento entre os estados. Em março deste ano, no entanto, o PIB do chegou a crescer 10%.

No Nordeste, ainda há dois estados em recessão: Paraíba (-1,2%) e Sergipe (-0,3%). Já os estados do Sul e Sudestes têm apresentado um desempenho similar ao da economia brasileira. São Paulo encerrou junho com alta do PIB de 1,7%.

“Minas, Rio e São Paulo estão com um crescimento mais baixo, assim como o país como um todo”, diz Passos. “Normalmente, fora dessa região (Sudeste), os avanços ficam mais associados a algum choque específico, como uma boa safra agrícola.”

Fonte: G1

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Neusa Galli Fróes
    Froés berlato associadas

    Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • neusa@froesberlato.com.br
    Telefones:
    (51) 3388 6847 / (51) 9123 6847

    E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311