Imprensa
Medida provisória

Presidente do Senado devolve parte de MP que limitava créditos de PIS e Cofins

A MP pretendia compensar a desoneração da folha de pagamentos, que atualmente permite alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta de alguns setores, e tem sido prorrogada ao longo dos anos

12 de junho de 2024 às 10:13

Segundo presidente do Senado ” é dever do Senado zelar pelo estrito cumprimento das normas constitucionais, especialmente no que se refere às medidas provisórias” | Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Nessa terça-feira (11/6), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), anunciou a devolução de parte da medida provisória editada pelo governo para limitar o uso de créditos de PIS e Cofins. A proposta da MP era compensar o impacto da desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia e de municípios com até 156 mil habitantes. Pacheco declarou que a decisão foi fundamentada na Constituição, para afirmar o papel do Poder Legislativo e trazer tranquilidade aos setores afetados. O governo não teria respeitado o prazo constitucional para realizar mudanças na tributação.

Os 17 setores alcançados atualmente são: confecção e vestuário, calçados, construção civil, call center, comunicação, empresas de construção e obras de infraestrutura, couro, fabricação de veículos e carroçarias, máquinas e equipamentos, proteína animal, têxtil, tecnologia da informação (TI), tecnologia de comunicação (TIC), projeto de circuitos integrados, transporte metroferroviário de passageiros, transporte rodoviário coletivo e transporte rodoviário de cargas.

Antes da decisão de Pacheco, o governo já cogitava alternativas à MP do PIS/Cofins, considerando inclusive a retirada para evitar a devolução. No entanto, Pacheco antecipou-se. A intenção do governo era construir um texto sem validade imediata, como seria o caso de um projeto de lei (PL), e ministros discutiram essa alternativa com representantes de entidades empresariais.

No entanto, a revelação por parte do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Antonio Alban, de uma conversa privada com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, gerou ainda mais desconforto no governo. Alban afirmou que Lula indicou a retirada da MP do processo, garantindo que a medida não seria mais discutida, e defendeu que o setor produtivo fosse ouvido nesse contexto.

A desoneração da folha, que substitui a contribuição previdenciária patronal de 20% sobre a folha de salários por alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta, reduz encargos trabalhistas dos setores desonerados e estimula a contratação. Tem sido prorrogada ao longo dos anos como forma de estimular a geração de empregos. O Congresso Nacional havia estendido a medida até 2027, depois de Lula vetar o texto. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, propôs então uma reoneração gradual da folha, a partir do ano que vem, o que foi aprovado pelo STF neste mês de junho. As empresas voltarão a contribuir com a Previdência, com imposto de 5% sobre o total da remuneração dos funcionários até a alíquota atingir 20% em 2028.

Para Alfredo Cotait Neto, presidente da CACB, a desoneração da folha para todos os setores é o caminho para gerar emprego e a renda, “garantindo o crescimento econômico do país”. Segundo ele, “é preciso desonerar a produção e o consumo, bem como simplificar os procedimentos de arrecadação, para aumentar a competitividade”.

O advogado tributarista e vice-presidente da CACB Anderson Trautman Cardoso também afirma que a desoneração da folha é medida que deve ser mantida para assegurar a geração de emprego e renda no país. “O Governo Federal deveria buscar alternativas de redução de despesas públicas e não surpreender o setor produtivo com medidas de aumento de carga tributária que retiram competitividade das empresas brasileiras”, completa.

A desoneração custará R$ 26,3 bilhões aos cofres públicos neste ano, já a limitação do Pis/Cofins poderá gerar até R$ 29,2 bilhões para os cofres do governo.

Últimas Notícias

Novo regime de origem do Mercosul simplifica regras e fortalece o comércio Novo regime de origem do Mercosul simplifica regras e fortalece o comércio
Comércio Internacional 18 de julho de 2024 às 15:14

Novo regime de origem do Mercosul simplifica regras e fortalece o comércio

Facerj promove seminário sobre Economia do Mar Facerj promove seminário sobre Economia do Mar
FACERJ 18 de julho de 2024 às 15:00

Facerj promove seminário sobre Economia do Mar

Facer lança o projeto Liquida Rolim, que promete movimentar diversos setores da economia local Facer lança o projeto Liquida Rolim, que promete movimentar diversos setores da economia local
Rondônia 18 de julho de 2024 às 13:51

Facer lança o projeto Liquida Rolim, que promete movimentar diversos setores da economia local

Conexão Faciap é realizado na ACIG Conexão Faciap é realizado na ACIG
Encontro 18 de julho de 2024 às 13:47

Conexão Faciap é realizado na ACIG

Presidente da Federaminas recebe homenagem no estado Presidente da Federaminas recebe homenagem no estado
Federaminas 17 de julho de 2024 às 16:40

Presidente da Federaminas recebe homenagem no estado

Faceb comemora 60 anos e nova diretoria toma posse Faceb comemora 60 anos e nova diretoria toma posse
Celebração 17 de julho de 2024 às 16:39

Faceb comemora 60 anos e nova diretoria toma posse

Serviços

Ver todos

Soluções dedicadas ao empresário brasileiro

Conheça nossos serviços para a sua empresa.

Conhecimento e informação nos conecta

Compartilhamos conteúdo do seu interesse

  •  

Eventos

Ver todos

Agenda dos Eventos Empresarias

Participe dos eventos organizados por entidades que apoiam os empresários do Brasil.

Busca

Fechar

Categorias de Serviços

Fechar

Categorias de Vídeos

Fechar

Entidades

Fechar
Logomarca Hotpixel