Imprensa
REFORMAS ESTRUTURAIS

Temer estuda deixar reforma da Previdência para depois das eleições

27 de setembro de 2016 às 11:19

Diante das pressões de aliados para adiar o envio da reforma da Previdência ao Congresso, o presidente Michel Temer pode acatar pedido de sua base em reunião agendada para esta terça-feira (27) com ministros, líderes partidários e o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), e deixar o projeto para depois das eleições.

Segundo assessores, Temer ainda não tomou uma decisão, mas pode alegar que a proposta não está totalmente fechada e ele precisa discuti-la antes com a base aliada e sindicalistas antes de encaminhá-la ao Legislativo.

O governo está dividido. Uma ala defende que o Planalto aguarde as eleições municipais de domingo para evitar prejuízos para candidatos governistas na reta final da campanha. Outra quer o envio da proposta já, como uma sinalização ao mercado do compromisso de Temer com o ajuste das contas públicas.

No dia 6 de setembro, Temer anunciou que enviaria a proposta ao Congresso antes das eleições. “A decisão é irreversível”, disse o chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima. “O presidente avaliou que, simbolicamente, por tudo o que o Brasil atravessa neste momento, nós deveríamos mandar a reforma antes do processo eleitoral.”

Temer vai discutir o assunto em jantar com seus aliados nesta terça-feira. Será seu primeiro compromisso no Palácio da Alvorada desde o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. O presidente ainda não se mudou do Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente. Na quarta-feira, Temer vai participar de um café da manhã com lideranças da base na residência oficial da Câmara dos Deputados, em Brasília.

Os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Dyogo Oliveira (Planejamento), o secretário da Previdência, Marcelo Caetano, e técnicos do governo se reuniram nesta segunda-feira (26) para repassar os pontos da reforma, antes de ser enviada a Temer.

O projeto estabelece idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e mulheres, além de exigir uma contribuição mínima de 25 anos, conforme antecipou a Folha. Segundo a proposta, as novas regras valeriam para homens com menos de 50 anos de idade e mulheres com menos de 45. Trabalhadores mais velhos teriam uma regra especial de transição.

A proposta muda a fórmula de cálculo dos benefícios da Previdência, aumentando em dez anos o período de contribuição para aposentadoria e exigindo 50 de contribuição anos para o trabalhador garantir o benefício integral.

Quem se aposentar com os requisitos mínimos, aos 65 anos de idade e com 25 anos de contribuição, receberia 75% da média salarial, mas teria direito a mais 1 ponto percentual a cada ano extra de contribuição, até o limite de 100%. Dessa forma, para ter direito a benefício integral, o trabalhador teria que somar 50 anos de contribuição.

Leia mais na Folha de S. Paulo

Últimas Notícias

Estado do Goiás recebe primeira etapa do programa O Poder da Rede Estado do Goiás recebe primeira etapa do programa O Poder da Rede
Poder da Rede 16 de julho de 2024 às 15:21

Estado do Goiás recebe primeira etapa do programa O Poder da Rede

Brasil quer alcançar US$ 1 trilhão no comércio exterior Brasil quer alcançar US$ 1 trilhão no comércio exterior
Entrevista 16 de julho de 2024 às 12:32

Brasil quer alcançar US$ 1 trilhão no comércio exterior

Lira anuncia que a regulamentação do segundo projeto da reforma tributária será votada em agosto Lira anuncia que a regulamentação do segundo projeto da reforma tributária será votada em agosto
Economia 16 de julho de 2024 às 12:26

Lira anuncia que a regulamentação do segundo projeto da reforma tributária será votada em agosto

Dólar sobe após atentado a Donald Trump Dólar sobe após atentado a Donald Trump
Economia 15 de julho de 2024 às 16:53

Dólar sobe após atentado a Donald Trump

Haddad diz que desoneração da folha usada por 10 anos não funcionou Haddad diz que desoneração da folha usada por 10 anos não funcionou
Política 12 de julho de 2024 às 16:31

Haddad diz que desoneração da folha usada por 10 anos não funcionou

Facisc aciona senadores catarinenses para que empresas não sejam prejudicadas com Reforma Tributária Facisc aciona senadores catarinenses para que empresas não sejam prejudicadas com Reforma Tributária
Economia 12 de julho de 2024 às 14:33

Facisc aciona senadores catarinenses para que empresas não sejam prejudicadas com Reforma Tributária

Serviços

Ver todos

Soluções dedicadas ao empresário brasileiro

Conheça nossos serviços para a sua empresa.

Conhecimento e informação nos conecta

Compartilhamos conteúdo do seu interesse

  •  

Eventos

Ver todos

Agenda dos Eventos Empresarias

Participe dos eventos organizados por entidades que apoiam os empresários do Brasil.

Busca

Fechar

Categorias de Serviços

Fechar

Categorias de Vídeos

Fechar

Entidades

Fechar
Logomarca Hotpixel