CACB

  1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Home / Notícias / POLÍTICA

Temer diz que Brasil vive estabilidade ‘extraordinária’ e pede investimento

21 de setembro de 2016 - 17:13

O presidente Michel Temer afirmou nesta quarta (21) em um encontro com empresários em Nova York que o Brasil vive uma “estabilidade política” extraordinária, num esforço para restaurar a confiança dos investidores no país. Sem citar nominalmente o governo anterior, Temer indicou que a paralisia política gerada pela má relação entre Executivo e Legislativo ficou para trás.

“No Brasil hoje nós temos uma estabilidade política extraordinária, por causa da relação política muito adequada entre o Executivo e o Legislativo. O que também dá segurança jurídica, porque nós temos alardeado que, lá no Brasil, o que for contratado será cumprido”, afirmou o presidente.

O discurso ocorreu em um almoço com cerca de 270 empresários organizado pelo Conselho das Américas, foro de companhias com negócios na América Latina. Temer abriu sua fala mencionando a crise política que levou ao impeachment da presidente Dilma Rousseff, dando a entender que seu impacto foi passageiro.

“Quero dizer que todos sabem que passamos por um brevíssimo período, digamos assim, de instabilidade política. Não uma instabilidade definitiva, na medida em que se verificou um processo político que levou a um impedimento”, disse Temer.

O presidente mostrou urgência na necessidade de reformas econômicas, lembrando as dificuldades econômicas que herdou do governo anterior, com destaque para um “deficit orçamentário muito grande”, fruto de “medidas que deveriam ter sido tomadas muito tempo atrás, não foram e por isso geraram esta instabilidade financeira”.

“Apanhamos também uma situação de desemprego muito acentuada, com quase 12 milhões de desempregados e por isso haveríamos, embora com muita cautela, enfrentar essas questões. A primeira ideia que ocorreu foi exatamente isso, é preciso uma integração e interação muitos grande entre o poder Legislativo e o poder Executivo. Na democracia você não tem autoritarismos”, afirmou.

Temer contou ter recebido telefonema de três líderes partidários, sem especificar quais, que teriam “fechado questão” para votar a proposta de emenda constitucional (PEC) que institui um teto ara os gastos públicos. “Temos apoio significativo do Congresso.”

Além da PEC do teto de gastos, Temer defendeu a necessidade de uma “reforma radical” do sistema previdenciário e destacou a importância do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) nos esforços do governo em retomar os investimentos e sair da recessão.

“Fomos mais adiante. Recentemente lançamos um programas de parcerias de investimento para fazer algo que está previsto na nossa Constituição. A iniciativa privada participar juntamente com o poder público do desenvolvimento, do crescimento do país, é fruto de normas de nossa Constituição”, disse o presidente.

Enquanto Temer falava, dois protestos ocorriam na porta do hotel em que ocorreu o evento, ambos com cerca de 20 pessoas. Um, de opositores do governo, outro de oficiais de chancelaria, que estão em greve por melhores salários.

MEDIDAS IMPOPULARES

Depois de dizer a empresários que o Brasil vive um período de “extraordinária estabilidade”, Temer afirmou que não se preocupa em tocar “medidas supostamente impopulares”, como a reforma da previdenciária, com potencial de instigar protestos contra seu governo.

“Se a minha popularidade cair para 5%, mas eu salvar o Brasil nestes dois anos e quatro meses, colocar o país nos trilhos, eu me dou por satisfeito”, disse nesta quarta-feira (21), após almoço com cerca de 270 empresários organizado pelo Conselho das Américas.

Minutos antes, Temer levou 17 minutos para tentar convencer a plateia de que o “brevíssimo período” de terremoto político tinha ficado para trás. À imprensa, voltou a perseguir o que chamou de “tese da pacificação do país”.

Para ele, a decisão do juiz Sergio Moro em aceitar a denúncia contra o ex-presidente Lula, que virou réu pela segunda vez na Lava Jato, não atrapalhará essa “reunificação” nacional.

Fonte: Folha de S. Paulo

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311