Brasil - 21 de February de 2018 - 15:34
31 de Janeiro de 2018 - 15:56

Os grandes desafios do País

Se o governo tem pressa, nós, empresários, também temos. Especialmente em relação a uma pauta positiva para este País, que precisa de estímulos para a retomada dos investimentos e sua manutenção. Queremos dar um basta nas posições e medidas adotadas para “salvar” políticos. O Brasil precisa de atitudes, projetos e um olhar para o futuro.

Precisa também de uma boa e ampla reforma previdenciária, e de pressa para sua votação, em função das novas regras que correspondem, sozinhas, a um quarto do esforço que o governo deve fazer para manter as contas públicas equilibradas nos próximos sete anos. Portanto, o corte das despesas, de acordo com a Lei do Teto dos Gastos, de 2016, deve caber dentro do limite estabelecido.

Sabemos que a equipe econômica ainda não fechou com o relator do projeto, deputado Arthur Maia, um texto final para a reforma da Previdência. Mas precisamos, urgentemente, de uma agenda de ações capazes de redirecionar o País para o crescimento sustentável, com o olhar voltado para o amanhã.

De nossa parte, estamos à disposição para apoiar as mudanças que, certamente, poderão viabilizar as reformas e a agenda positiva. Esperamos que o governo, para manter as finanças públicas dentro do limite imposto pela Lei do Teto de Gastos, deixe de gastar o equivalente a 4,9% do PIB, em 2025. Estamos, isto sim, numa encruzilhada!

E não poderia ser diferente: a principal conversa deste ano é a de quem vai ocupar a cadeira presidencial em 2019. Neste sentido, nossa economia, que começa a expandir, poderá voltar à recessão, caso não haja agora, disposição para preparar ações que projetem para o amanhã. Sem qualquer dúvida, também reconhecemos que tudo vai depender da escolha do nosso novo líder.

Enquanto isso, também temos a convicção de que as próximas eleições terão importância na quantidade de reformas que ficaram pelo caminho. Sendo assim, abre-se espaço, também, para uma agenda que traga a percepção de que o interesse político está alinhado com o econômico e com o futuro. Chegou a hora de planejar o desenvolvimento e terminou a hora de salvar cabeças pela falta de ética!

Torcemos para que o novo presidente tenha força suficiente para poder implementar projetos ambiciosos. É fundamental saber quem escolher para conduzir o País a um futuro mais próspero. Aliás, esta é a nossa aposta.

Deixe seu comentário
Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis
Revistas