Imprensa
DEFLAÇÃO

IBGE: preços na indústria fecham fevereiro com variação negativa

31 de março de 2016 às 15:25
Foto: Dado Galdieri/Bloomberg

Foto: Dado Galdieri/Bloomberg

Os preços da indústria geral fecharam o mês de fevereiro deste ano com deflação (inflação negativa) de 0,58%, uma desaceleração de 1,26 ponto percentual entre um período e outro. Com o resultado de fevereiro, os preços ao produtor (na porta da fábrica) fecharam o primeiro bimestre do ano com variação acumulada de 0,09%, enquanto a taxa acumulada nos últimos doze meses (anualizada) fechou fevereiro com variação de 8,57%, contra 9,99% do acumulada até janeiro.

Os dados do Índice de Preços ao Produtor (IPP) foram divulgados hoje (31), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e indicam que, entre as 24 atividades das indústrias extrativa e de transformação, 10 apresentaram variações positivas de preços, contra 18 do mês anterior.

O Índice de Preços ao Produtor (IPP) das Indústrias Extrativas e de Transformação mede a evolução dos preços de produtos “na porta de fábrica”, sem impostos e fretes, e abrange informações por grandes categorias econômicas, ou seja, bens de capital, bens intermediários e bens de consumo (duráveis e semiduráveis e não duráveis).

Entre as quatro maiores variações observadas em fevereiro estão os produtos das atividades de refino de petróleo e produtos de álcool, cuja taxa fechou com deflação de 3,06%; bebidas (-2,02%); outros produtos químicos (-1,85%); e confecção de artigos do vestuário e acessórios (2,05%).

Já refino de petróleo e produtos de álcool, com -0,32 ponto percentual; outros produtos químicos (-0,20 ponto percentual; alimentos (0,07 ponto percentual); e bebidas (-0,06 ponto percentual), foram as atividades que exerceram as maiores influências para que o IPP fechasse fevereiro com deflação de 0,58%.

Variações por atividade

Entre as 24 atividades das indústrias extrativas e de transformação, 10 apresentaram variações positivas de preços, contra 18 do mês anterior, com destaque para o setor de Extrativas, cujas industriais indústrias mantiveram a tendência de queda em seus preços pelo quarto mês seguido, registrando uma variação de -1,13% em relação a janeiro.

O setor apresentou, em módulo, a maior variação acumulada no ano (-15,40%), superior ao observado para as demais atividades pesquisadas. A variação negativa dos preços do setor no ano teve também a maior influência observada (-0,42 ponto percentual) sobre a variação verificada para a indústria em geral, em 2016.

Já a variação de preços observada nos alimentos, entre janeiro e fevereiro, de 0,33%, foi a menor taxa desde os 0,13% de junho de 2015. Com esse aumento, a variação positiva acumulada chegou a 1,95%. Já na comparação com fevereiro de 2015, a variação é de 15,67%. Com esses resultados, em termos de influência, o setor desponta como a principal influência positiva nos três indicadores avaliados.

Com uma queda média de preços ao produtor da ordem de 2,02% em fevereiro, o setor de bebidas passou a acumular queda de 3,66% no primeiro bimestre do ano. Embora o índice do setor, acumule um aumento de 5,29% com relação a fevereiro de 2015, fechou fevereiro deste ano com a quarta queda seguida dos preços ao produtor, que teve uma alta de 9,57% em outubro de 2015. A variação negativa nos preços ao produtor deve-se, em parte, segundo o IBGE, a uma redução de consumo (menor demanda interna).

Por sua vez, o setor de refino de petróleo e produtos de álcool, ao registrar deflação de -3,06% de janeiro para fevereiro, teve a maior variação negativa de preços observada em toda a série. Com ela, o acumulado no ano chegou a -3,63%, maior valor negativo já observado no mesmo mês ao longo da série.

Entre os produtos de maior influência nesta base de comparação três são derivados de petróleo e todos (óleo diesel e outros óleos combustíveis, naftas e querosene de aviação) com influência negativa.

O IBGE esclareceu que a influência positiva do álcool etílico (anidro ou hidratado) é compatível com o período de entressafra da cana-de-açúcar. A influência dos quatro produtos destacados foi de -2,93 ponto percentual.

Até mesmo veículos automotores, depois de terem tido a maior variação da série (2,13%, em janeiro de 2016), na comparação com o mês anterior, os preços dos produtos do setor recuaram 0,04%. Com isso, o acumulado no ano recuou de 2,13% para 2,09%.

No acumulado

A alta acumulada de 8,57% em fevereiro na taxa anualizada teve entre as quatro maiores variações de preços as atividades de equipamentos de transporte, cuja inflação acumulada chegou a 30,62%; fumo (26,40%); papel e celulose (18,07%); e a Indústrias extrativas, que neste caso fechou com inflação negativa de 24,15%.

Já por influência, o IBGE destacou os setores de alimentos, com contribuição de 3 pontos percentuais para a deflação de 0, 58%; outros produtos químicos (1,55 ponto percentual); Indústrias extrativas (-0,81 ponto); e veículos automotores (0,69 ponto percentual).

Já entre as grandes categorias econômicas, bens intermediários fechou fevereiro com deflação de 1,38% em relação a janeiro; bens de capital (-0,40%); e bens de consumo com 0,67%. Neste caso, 0,5% foi a variação observada em bens de consumo duráveis e 0,72% em bens de consumo semiduráveis e não duráveis.

Ainda entre as grandes categorias econômicas a principal influência foi exercida pela variação negativa de 0,04 ponto percentual em bens de capital; de -0,78 pontos percentuais em bens intermediários e 0,23 pontos percentuais em bens de consumo. Neste caso, 0,19 ponto percentual diz respeito à variação de preço observada em bens de consumo semiduráveis e não duráveis e 0,04 pontos a bens de consumo duráveis.

Fonte: Agência Brasil

Últimas Notícias

Presidente da Federaminas recebe homenagem no estado Presidente da Federaminas recebe homenagem no estado
Federaminas 17 de julho de 2024 às 16:40

Presidente da Federaminas recebe homenagem no estado

Faceb comemora 60 anos e nova diretoria toma posse Faceb comemora 60 anos e nova diretoria toma posse
Celebração 17 de julho de 2024 às 16:39

Faceb comemora 60 anos e nova diretoria toma posse

Ministro prorroga decisão que suspende reoneração da folha de pagamentos até setembro Ministro prorroga decisão que suspende reoneração da folha de pagamentos até setembro
Desoneração da Folha 17 de julho de 2024 às 16:07

Ministro prorroga decisão que suspende reoneração da folha de pagamentos até setembro

Estado do Goiás recebe primeira etapa do programa O Poder da Rede Estado do Goiás recebe primeira etapa do programa O Poder da Rede
Poder da Rede 16 de julho de 2024 às 15:21

Estado do Goiás recebe primeira etapa do programa O Poder da Rede

Brasil quer alcançar US$ 1 trilhão no comércio exterior Brasil quer alcançar US$ 1 trilhão no comércio exterior
Entrevista 16 de julho de 2024 às 12:32

Brasil quer alcançar US$ 1 trilhão no comércio exterior

Lira anuncia que a regulamentação do segundo projeto da reforma tributária será votada em agosto Lira anuncia que a regulamentação do segundo projeto da reforma tributária será votada em agosto
Economia 16 de julho de 2024 às 12:26

Lira anuncia que a regulamentação do segundo projeto da reforma tributária será votada em agosto

Serviços

Ver todos

Soluções dedicadas ao empresário brasileiro

Conheça nossos serviços para a sua empresa.

Conhecimento e informação nos conecta

Compartilhamos conteúdo do seu interesse

  •  

Eventos

Ver todos

Agenda dos Eventos Empresarias

Participe dos eventos organizados por entidades que apoiam os empresários do Brasil.

Busca

Fechar

Categorias de Serviços

Fechar

Categorias de Vídeos

Fechar

Entidades

Fechar
Logomarca Hotpixel