Notícias Empreender
Empreender

Notícias

#11WCC

A união entre as nações é que nos levará a atingir as metas de desenvolvimento sustentável da ONU

Multilateralismo foi unânime entre os palestrantes do primeiro painel desta sexta-feira (14) no #11WCC. ICC vai estimular a assinatura de uma coalizão entre as câmaras em favor do clima

14 de junho de 2019 às 12:37

Os riscos econômicos e sociais impostos pelas mudanças climáticas são impossíveis de ignorar e a incapacidade de tomar medidas efetivas pode significar um custo econômico total de US$2 trilhões, até 2030. Felizmente, as empresas e câmaras estão se comprometendo com ações climáticas mais do que nunca. E foi isso que discutiu o painel “Os Objetivos de Desenvolvimentos Sustentáveis (ODS) e as mudanças climáticas: prosperando em uma economia de baixo carbono”, abrindo o último dia do 11th World Chambers Congress.

Para falar sobre o tema, o #11WCC trouxe à plenária Luis Alfonso Alba, da Secretaria Geral das Nações Unidas para a Conferência de Mudanças Climáticas 2019, que compartilhou suas preocupações com o momento atual, citou alguns relatórios e disse que se considerarmos o que temos sobre a mesa hoje, o mundo está a caminho de aumentar sua temperatura em 3,5 graus até 2030, o que traria consequências trágicas para o planeta, seres humanos e, obviamente, à economia. “Precisamos lutar para manter esse aumento abaixo de 1,5 graus e chegarmos à neutralidade de carbono até o meio do século. As empresas precisam entender e transmitir as mesmas mensagens de que há grandes riscos à nossa frente, mas também oportunidades e precisamos definir como aproveitá-las”, apontou.

O diretor do Escritório Americano para Redução do Risco de Desastres, Raul Salazar, apresentou modelos para a prevenção de catástrofes naturais e previsões para as mudanças climáticas. “Precisamos pensar na colaboração entre todos. O setor público e o privado precisa colaborar para resolver os problemas juntos. Para as MPEs, a prevenção de desastres reduz as incertezas, abre portas para a economia de custos e as reconhece como líderes das mudanças”, declarou.

A presidente da Câmara de Comércio de Calgary, no Canadá, Sandip Lalli, falou de projetos liderados pela entidade que representa, dando destaque à sustentabilidade. “O mundo precisa ter mais conversas nesse sentido. No Canadá estamos gastando bilhões de dólares em inovação tecnológica, criando empregos e reduzindo a emissão de CO2 na natureza e queremos que esse modelo seja compartilhado. É a unidade que vai nos levar a atingir as metas de desenvolvimento sustentável da ONU”, destacou.

O diretor de Sustentabilidade da Natura, Keyvan Macedo, disse que desde a fundação, a empresa faz escolhas sustentáveis e que o nome da Natura se refere justamente a esta característica. “Fazemos todos os esforços possíveis para diminuirmos cada vez mais as emissões de carbono na natureza”, disse.

O CEO do Fourth Sector Group, Heerad Sabeti, disse que ainda estamos longe de fazer o suficiente porque estamos tentando resolver um problema sem solucionar a raiz dele. “O deslocamento para uma economia sustentável, que seria a prioridade mais importante para a sociedade hoje, basicamente tem que começar a ver a raiz das causas e se mobilizar em escala global”, afirmou.

O co-fundador da Perlin (Singapura), Dorjee Sun, perguntou aos participantes da plenária se eles gostariam que suas empresas obtivessem um faturamento bilionário. Em seguida, disse que aqueles que resolverem problemas como a redução do uso de plástico ou a produção de alimentos sustentáveis, por exemplo, vão ganhar bilhões e que já tem gente trabalhando nisso. “O pico da mudança ambiental pode ser o multilateralismo”, declarou.

A moderação do painel ficou a cargo de Andrew Wilson, diretor e observador permanente pelas Nações Unidas da Câmara Internacional de Comércio.

Coalização entre câmaras pelo clima

A International Chamber of Commerce produziu um documento para que as câmaras de todo o mundo possam assumir um compromisso em favor do clima. As entidades que aderirem ao texto deverão se comprometer com as seguintes medidas:

– Defender a ação climática nas redes de negócios, atuando em prol de políticas bem concebidas, com o objetivo de limitar a elevação média global da temperatura a 1,5º C;

– Apoiar o objetivo de atingir emissões zero de carbono até 2050, globalmente;

– Incorporar entre os serviços das câmaras a orientação sobre mitigação do clima e resiliência climática;

– Trabalhar com entidades públicas e privadas para apoiar soluções climáticas eficazes, como parte de uma mudança transformacional que funcione para as pessoas e para o planeta;

– Reduzir, sem demora, a pegada de efeito estufa das atividades das câmaras.

 

Por Erick Arruda da Assessoria de Comunicação do #11WCC

Outras Notícias

Ver todas

Conhecimento e informação nos conecta

Compartilhamos conteúdo do seu interesse

  •  

Serviços

Ver todos

Soluções dedicadas ao empresário brasileiro

Conheça nossos serviços para a sua empresa.

Eventos

Ver todos

Agenda dos Eventos Empresarias

Participe dos eventos organizados por entidades que apoiam os empresários do Brasil.

Busca

Fechar

Categorias de Serviços

Fechar

Entidades

Fechar
Logomarca Hotpixel