CACB

  1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Home / Notícias / BOLETIM FOCUS

Economistas projetam inflação de 7,2% e queda menor do PIB neste ano

08 de agosto de 2016 - 12:25
Mercado projeta inflação menor e queda menos acentuada da atividade econômica em 2016 - Foto: Mateus Bruxel/Folhapress 

Mercado projeta inflação menor e queda menos acentuada da atividade econômica em 2016 – Foto: Mateus Bruxel/Folhapress

Economistas e instituições financeiras consultados pelo Banco Central reduziram a projeção para a inflação neste ano e também melhoraram a previsão de retração da atividade econômica em 2016, de acordo com o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (8).

A pesquisa semanal mostrou que a expectativa para a inflação neste ano recuou de 7,21% para 7,20%. Houve queda também na projeção para 2017, que passou de 5,20% para 5,14%, mais próxima do centro da meta estabelecida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) —4,5% com 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Para 2018, a inflação estimada é de 4,5%. Para 2018, a inflação estimada se manteve em 4,5%.

A perspectiva para a retração do PIB (Produto Interno Bruto) também sofreu leve melhora, ao passar de 3,24% para 3,23%. Para 2017, a estimativa de crescimento foi mantida em 1,10%, enquanto em 2018 a expansão prevista é de 2%, a mesma da pesquisa anterior.

Pesquisas no mercado mostram um cenário mais otimista em relação à recuperação econômica. Segundo o IP Brasil, índice que avalia o humor da opinião pública com base em postagens nas redes sociais e publicações nos meios de comunicação, a expectativa dos brasileiros sobre os acontecimentos políticos e econômicos alcançou seu menor nível de volatilidade em julho.

O IP demonstra que, entre julho de 2015 e o mês passado, seu período de maior trajetória de crise aguda se encerra agora com melhora das percepções.

CÂMBIO

A projeção para a taxa de câmbio no fim deste ano se manteve em R$ 3,30, após quedas sucessivas. Na semana passada, o dólar caiu 1,75%, em meio à aproximação do fim do processo de impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff. A leitura do mercado é de que, se for efetivado no cargo, o presidente Michel Temer terá mais condições de conduzir o ajuste fiscal.

Também contribuiu para a queda do dólar a ampliação da liquidez mundial, com a decisão do banco central britânico de cortar os juros na quinta-feira passada (4), aumentou o fluxo de recursos estrangeiros para o Brasil, onde as taxas de juros são elevadas. Para o próximo ano, a perspectiva é que o dólar encerre em R$ 3,50, mesmo nível da semana anterior.

As previsões para a taxa básica de juros (Selic) foram mantidas em 13,50% neste ano e em 11% em 2017.

Fonte: Folha de S. Paulo

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311