Imprensa
Contas Públicas

Contas do governo têm rombo de R$ 154,2 bilhões em 2016

Esse foi o terceiro ano consecutivo com as contas no vermelho e o maior, em 20 anos. Resultado, porém, ficou abaixo da meta fiscal para o ano, que era de rombo de até R$ 170,5 bilhões

30 de janeiro de 2017 às 17:35

Com a persistência do cenário de recessão na economia brasileira e a queda na arrecadação federal, as contas do governo tiveram forte piora em 2016 e registraram um rombo recorde de R$ 154,25 bilhões, o equivalente a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB). As informações foram divulgadas pela Secretaria do Tesouro Nacional nesta segunda-feira (30). Isso significa que as despesas do governo federal no ano passado superaram as receitas (impostos e tributos) em R$ 154,25 bilhões. Apesar de ter sido o terceiro resultado negativo seguido e o maior em 20 anos (a série histórica do Tesouro começa em 1997), o déficit de 2016 ficou abaixo da meta do governo para o ano, que era de um rombo de até R$ 170,5 bilhões.

Em 2015, as contas do governo já tinham apresentado resultado ruim, com um déficit primário de R$ 114,9 bilhões. Em 2014, o rombo somou R$ 17,21 bilhões. Os valores não incluem os gastos do governo com o pagamento dos juros da dívida pública.

Meta fiscal cumprida

Apesar de alto, o resultado negativo está compatível com a meta fiscal proposta pela equipe econômica do presidente Michel Temer em maio deste ano, posteriormente aprovada pelo Congresso Nacional, que é de um déficit fiscal de até R$ 170,5 bilhões em 2016. Portanto, mesmo com o déficit recorde, a meta fiscal de 2016 foi formalmente cumprida pela equipe econômica.

“É muito importante esse momento em que anunciamos o cumprimento da meta do Governo Central de 2016. O resultado foi melhor do que o previsto, pois realizamos um déficit menor do que a meta”, disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Ele está em São Paulo nesta segunda e gravou a mensagem em vídeo, que foi divulgado pelo ministério. “O teto de gastos agora vai permitir ao Brasil voltar gradualmente a produzir superávits primários, gerando a economia necessária para estabilização e redução da dívida federal”, completou Meirelles.

Repatriação

O governo recebeu uma ajuda no ano passado para cumprir a meta: a receita extra de R$ 46,8 bilhões da chamada “repatriação”, que permitiu a brasileiros regularizarem bens mantidos no exterior e que não estavam declarados à Receita. Para ter direito aos benefícios da repatriação, entre eles deixar de correr o risco de sofrer processo por sonegação, os contribuintes pagaram multa e Imposto de Renda. Os recursos, que ingressaram nos cofres públicos em outubro de 2016, ajudaram a melhorar a arrecadação do governo.

De acordo com a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, o governo teria cumprido a meta fiscal do ano passado mesmo sem essa receita extraordinária. “Se não fosse a repatriação, ou se tivesse vindo em valores inferiores, teríamos cumprido a meta porque a programação financeira teria sido outra. Atuamos em função de uma receita que ocorreu. Foi usada como uma receita extraordinária permitindo uma redução mais contundente dos restos a pagar”, afirmou ela.

Com o baixo nível de atividade na economia brasileira, a receita total teve queda real (descontada a inflação) de 3,1% no ano passado, para R$ 1,31 trilhão. Sem contar a inflação, houve um aumento nominal de 5,4%. No mesmo período, as despesas públicas totais caíram, em termos reais, 1,2%, para R$ 1,24 trilhão. Em termos nominais, a alta foi de 7,2%.

Rombo da Previdência

A Secretaria do Tesouro Nacional confirmou que o rombo da Previdência Social (sistema público que atende aos trabalhadores do setor privado) avançou de R$ 85,81 bilhões em 2015 para R$ 149,73 bilhões em 2016, um aumento de 74,5%. Os números já haviam sido divulgados na semana passada pela Secretaria de Previdência.

Para 2017, a expectativa do governo é de um novo crescimento no rombo do INSS. A previsão que consta no orçamento já aprovado pelo Congresso Nacional é de um resultado negativo de R$ 181,2 bilhões. Essa conta considera uma estimativa de receitas previdenciárias de R$ 381,1 bilhões e gastos com pagamentos de benefícios e sentenças judiciais de R$ 562,4 bilhões. A equipe econômica do presidente Michel Temer já encaminhou ao Congresso uma proposta de reforma das regras da Previdência Social. Entre as principais mudanças está a criação de idade mínima de aposentadoria de 65 anos, para homens e mulheres. O objetivo do governo é tentar manter a sustentabilidade das contas públicas, diante de um déficit crescente do sistema previdenciário brasileiro.

Investimentos sobem

No caso dos investimentos, os gastos somaram R$ 64,92 bilhões no ano de 2016, valor que representa uma alta de R$ 9,39 bilhões, ou 17%, frente a 2015 (R$ 55,53 bilhões). O governo informou que utilizou parte das receitas da “repatriação” para diminuir o montante de restos a pagar – obras já contratadas anteriormente. Apesar do aumento dos investimentos no ano passado, o valor ficou abaixo do patamar de 2014 – quando somaram R$ 77,5 bilhões.

Dividendos, concessões e subsídios

Segundo o governo, as receitas com concessões subiram bastante no ano passado e somaram R$ 21,9 bilhões. Em 2015, foram de R$ 5,89 bilhões. O aumento foi de R$ 16 bilhões. Ao mesmo tempo, o governo também recolheu bem menos com dividendos (parcelas do lucro) das empresas estatais no ano passado. De acordo com o Tesouro Nacional, os dividendos somaram R$ 2,84 bilhões em 2016, contra R$ 12 bilhões em 2015 e R$ 18,93 bilhões em 2014.

No caso dos subsídios e subvenções, houve forte queda no ano passado. Em 2015, com o pagamento das pedaladas fiscais, somaram R$ 53,5 bilhões, ou 0,9% do PIB, valor que recuou para R$ 23,32 bilhões em 2016, equivalente a 0,4% do PIB. Ainda assim, está acima da média histórica de R$ 7,25 bilhões.

Segundo o ministro Henrique Meirelles, o governo conseguiu reduzir em mais de R$ 37,5 bilhões o estoque de restos a pagar da União, o que representou o maior volume dos últimos dez anos.

Por Alexandro Martello, G1, Brasília

 

Últimas Notícias

Novo regime de origem do Mercosul simplifica regras e fortalece o comércio Novo regime de origem do Mercosul simplifica regras e fortalece o comércio
Comércio Internacional 18 de julho de 2024 às 15:14

Novo regime de origem do Mercosul simplifica regras e fortalece o comércio

Facerj promove seminário sobre Economia do Mar Facerj promove seminário sobre Economia do Mar
FACERJ 18 de julho de 2024 às 15:00

Facerj promove seminário sobre Economia do Mar

Facer lança o projeto Liquida Rolim, que promete movimentar diversos setores da economia local Facer lança o projeto Liquida Rolim, que promete movimentar diversos setores da economia local
Rondônia 18 de julho de 2024 às 13:51

Facer lança o projeto Liquida Rolim, que promete movimentar diversos setores da economia local

Conexão Faciap é realizado na ACIG Conexão Faciap é realizado na ACIG
Encontro 18 de julho de 2024 às 13:47

Conexão Faciap é realizado na ACIG

Presidente da Federaminas recebe homenagem no estado Presidente da Federaminas recebe homenagem no estado
Federaminas 17 de julho de 2024 às 16:40

Presidente da Federaminas recebe homenagem no estado

Faceb comemora 60 anos e nova diretoria toma posse Faceb comemora 60 anos e nova diretoria toma posse
Celebração 17 de julho de 2024 às 16:39

Faceb comemora 60 anos e nova diretoria toma posse

Serviços

Ver todos

Soluções dedicadas ao empresário brasileiro

Conheça nossos serviços para a sua empresa.

Conhecimento e informação nos conecta

Compartilhamos conteúdo do seu interesse

  •  

Eventos

Ver todos

Agenda dos Eventos Empresarias

Participe dos eventos organizados por entidades que apoiam os empresários do Brasil.

Busca

Fechar

Categorias de Serviços

Fechar

Categorias de Vídeos

Fechar

Entidades

Fechar
Logomarca Hotpixel