Regimento Interno

CAPÍTULO I

DA DEFINIÇÃO, OBJETO E FUNÇÕES

Art. 1º – A CÂMARA BRASILEIRA DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EMPRESARIAL, sucessora da Corte Brasileira de Mediação e Arbitragem Comercial doravante denominada CBMAE, órgão integrante da CACB – Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil, rege-se pelo presente Regulamento Interno na forma abaixo descrita.

Art. 2º – A responsabilidade civil e jurídica da CBMAE será da CACB Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil, que tem sede e foro na cidade de Brasília/DF, no SCS, Quadra 03 Bloco A nº 126, Edifício CACB, Cep: 70313-916, podendo manter escritório técnico-administrativo em qualquer outra localidade, no Brasil ou no exterior, e/ou credenciar câmaras em qualquer Estado ou Município se e quando necessário à consecução de seus objetivos.

§ 1º – A responsabilidade civil e jurídica pelos procedimentos de conciliação, mediação e arbitragem será exclusivamente da câmara onde foi realizado o procedimento em questão.

Art. 3º – A CBMAE tem por objetivo:

I. Administrar e coordenar as ações e definições de políticas relativas a conciliações, mediações e arbitragens no âmbito empresarial em todos os tipos de controvérsias que envolvam direitos patrimoniais disponíveis consoante a legislação de regência, sem prejuízo de outras formas alternativas que venham a ser indicadas para a solução da disputa;

II. Coordenar e disciplinar o sistema CACB/CBMAE de MESCs Métodos Extrajudiciais de Soluções de Controvérsias, bem como dirimir eventuais controvérsias de atuação entre os diversos organismos integrantes do sistema;

III. Criar e disciplinar a formação, capacitação e criação de um corpo nacional de conciliadores, mediadores e árbitros;

IV. Divulgar e informar à sociedade civil brasileira, em especial os setores produtivos, sobre os Métodos Extrajudiciais de Solução de Controvérsias;

V. Atuar junto aos poderes públicos e organismos nacionais e internacionais propondo medidas que tenham por escopo o incentivo à consolidação dos Métodos Extrajudiciais de Solução de Controvérsias;

VI. Celebrar convênios, contratos ou quaisquer outras formas de cooperação visando à consecução dos seus objetivos sociais;

VII. Administrar procedimentos referentes a conciliações, mediações e arbitragens nacionais e internacionais em todos os tipos de controvérsias que envolvam direitos patrimoniais disponíveis, na forma da legislação de regência, sem prejuízo de outras formas alternativas que venham a ser indicadas para a solução de controvérsias;

VIII. Representar a Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil junto a organismos nacionais e internacionais de Métodos Extrajudiciais de Solução de Controvérsias.

IX. Desenvolver produtos e serviços para auxiliar na informação sobre os procedimentos de conciliação, mediação e arbitragem para clientes e público em geral, bem como para a divulgação e publicidade das câmaras.

X. Administrar o sistema de gestão das câmaras filiadas objetivando seu aprimoramento.

Art. 4º – A CBMAE terá duração por prazo indeterminado.

Art. 5º – Poderão integrar a Rede CBMAE entidades dedicadas as soluções de controvérsias através de métodos extrajudiciais, desde que indicadas ou instituídas por uma associação comercial filiada ao sistema CACB/CBMAE de MESCs, e guarde indispensável similitude com os correspondentes instrumentos normativos adotados pela CBMAE para uma operacionalização sistêmica de interesse comum. A filiação se dá mediante a celebração de convênio.

§1º – A CACB poderá filiar também outras instituições que atendam as premissas desenvolvidas pela CBMAE.

Art. 6º – As filiações e exclusões de câmaras das associações, das federações e das entidades privadas somente serão validadas após a ratificação da Coordenação da CBMAE.

Art. 7º – As câmaras filiadas poderão adotar o nome CBMAE seguida respectivamente da sigla do Estado para as Câmaras das Federações e do nome da Cidade para as Câmaras das Associações ou ainda a sigla da entidade.

§1º – No mesmo prazo deverão adequar-se de forma a adotar logomarca, slogan e identidade visual conforme o manual de marcas fornecido pela CBMAE.

§ 2º – As câmaras adotarão na forma integral o regulamento de conciliação, mediação e arbitragem, bem como o código de ética para esses profissionais, da CBMAE para seus procedimentos em nível nacional.

CAPÍTULO II

DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Art. 08 – A CBMAE é composta dos seguintes órgãos:

I. Conselho Consultivo;

II. Coordenação Executiva;

III. Corpo de Especialistas;.

DO CONSELHO CONSULTIVO

Art. 09 – O Conselho Consultivo é o órgão de representatividade institucional da entidade, constituído por entidades de representação indicada pela Diretoria da CACB, podendo cada uma indicar 1 titular e 1 suplente. O mandato dos membros do Conselho Consultivo será por um biênio, podendo ser prorrogado por decisão da Diretoria da CACB.

Art. 10 – O Conselho Consultivo terá um Presidente indicado pelo Presidente da CACB:

I. O Presidente do Conselho Consultivo será representado em seus afastamentos e/ou impedimentos pelo Coordenador Nacional da CBMAE;

II. Cabe ao Presidente do Conselho Consultivo, em conjunto com o Coordenador Nacional da CBMAE, resolver os casos omissos deste Regimento.

Art. 11 – O Conselho Consultivo se reunirá anualmente, ou por convocação de seu Presidente, e deliberará por maioria simples dos seus integrantes.

DA COORDENAÇÃO EXECUTIVA

Art. 12 – A Coordenação Executiva será composta por um Coordenador Nacional, Coordenador Operacional e um Coordenador Jurídico.

Art. 13 – Compete a Coordenação Executiva:

I. Estabelecer diretrizes de procedimento das câmaras;

II. Reunir os demais órgãos da CBMAE;

III. Determinar local da arbitragem em casos de impasse entre federações, associações e demais filiados;

IV. Aprovar regulamentos e quadro de especialistas.

Art. 14 – Ao Coordenador Nacional incumbe a coordenação de todas as funções a cargo da CBMAE, empenhando-se para que a prestação desses serviços se efetue em plena conformidade com a legislação de regência, as disposições regulamentares atinentes à espécie, à moral e à ética.

Art. 15 – Compete ao Coordenador Nacional:

I. Propor mudanças ao presente Regimento Interno e zelar pela estrita observância do presente Regimento;

II. Editar resoluções e/ou recomendações necessárias ao bom desempenho das atividades da CBMAE;

III. Propor a contratação de pessoal administrativo e técnico;

IV. Definir as metas de trabalho;

V. Representar institucionalmente a CBMAE junto a órgãos, instituições públicas e privadas, clientes e eventos;

VI. Administrar o orçamento anual aprovado;

Art. 16 – Compete ao Coordenador Operacional:

I. A representação da CBMAE, em conjunto ou por delegação do Coordenador Nacional;

II. Divulgar e formar parcerias;

III. Prospectar potenciais mercados e respectivos clientes capazes de demandar os serviços da CBMAE;

IV. Propor as ações gerais de difusão e marketing junto ao público externo;

V. Coordenar a execução do plano de metas nas áreas de sua competência;

VI. Fomentar a interação entre a CBMAE e as afiliadas do Sistema CACB/CBMAE de MESCs.

Art. 17 – Compete ao Coordenador Jurídico:

I. Propor normas e critérios para:

a) A administração de procedimentos;

b) Propor integrantes para o corpo de conciliadores, mediadores, árbitros, peritos e auxiliares técnicos;

II. Propor medidas, normas e regulamentos que dêem suporte técnico especializado às atividades da CBMAE e aos integrantes do corpo de profissionais especializados;

III. Assegurar a observância dos códigos de ética pelos profissionais integrantes do corpo de especialistas, recomendando ao Coordenador Nacional providências que julgar necessárias;

V. Formular e/ou opinar sobre o conteúdo acadêmico de consultas, palestras, seminários e cursos;

VI. Supervisionar os procedimentos realizados pela CBMAE.

Art. 18 – O Coordenador Jurídico será obrigatoriamente advogado.

DO CORPO DE ESPECIALISTAS

Art. 19– O Corpo de Especialistas da CBMAE é composto por profissionais de diversas especializações que atuarão como mediadores, conciliadores e árbitros.

Art. 20 – O processo de seleção dos membros do Corpo de Especialistas obedecerá a critérios definidos em Resolução de Coordenação, ad-referendum, do Conselho Consultivo.

Art. 21 – Qualquer interesse direto ou indireto de membro da CBMAE e do Sistema CACB/CBMAE em assunto ou controvérsias a ela submetido, o inabilita a participar das sessões em que a matéria seja tratada.

Art. 22 – Sem prejuízo da faculdade discricionária da CBMAE, e obedecido o princípio constitucional de ampla defesa, constituirá causa determinante de cancelamento da inscrição no Corpo de Especialistas da CBMAE:

I. Condenação penal ou cível com trânsito em julgado;

II. Desídia na prestação dos serviços que lhe foram designados;

III. Conduta antiética no desempenho de sua missão;

IV. Cobrança de custas diretamente às partes;

V. Quebra de sigilo sobre quaisquer procedimentos administrados pela CBMAE.

Art. 23 – O cancelamento da inscrição de que trata o artigo anterior implicará em comunicação às entidades afiliadas a CBMAE e aos integrantes do Conselho Consultivo.

CAPÍTULO III

DAS RECEITAS

Art. 24 – As receitas da CBMAE serão administradas pela Coordenação Nacional.

Art. 25 – Constituem receitas da CBMAE:

I. As contribuições de afiliados e/ou conveniados;

II. As doações que lhe forem feitas;

III. As subvenções que lhe forem concedidas;

IV. As rendas de seus direitos, haveres e serviços.

CAPÍTULO IV

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 26 – Os cargos de membros do Conselho Consultivo não serão remunerados.

Art. 27 – Para fins dos Regulamentos de Mediação, Conciliação e Arbitragem, considerar-se-á CBMAE a Câmara devidamente filiada à rede onde se desenvolve o procedimento.

Art. 28 – Na hipótese da dissolução da CBMAE o acervo de procedimentos será destinado à instituição de idênticos objetivos que dará continuidade às suas ações.

O presente Regulamento Interno foi aprovado na reunião do Conselho Deliberativo da CACB realizada no dia 19 de novembro de 2013, na cidade de Campinas, São Paulo.

Busca

Fechar

Categorias de Serviços

Fechar

Entidades

Fechar
Logomarca Hotpixel