1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Redes Sociais
Login Sistemas

Para efetuar o login, selecione o sistema utilizando os botões abaixo:

Sistema Câmara Sistema PACE Loja CBMAE
Home / CBMAE / RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

Especialistas debatem o uso dos MESCs no mercado imobiliário e da construção civil

O chamado Comitê de Resolução de Disputas foi um dos destaques do debate

10 de julho de 2020 - 09:43

Na última terça-feira (07), o Ciclo de Palestras da CACB, por intermédio da Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem Empresarial (CBMAE), debateu a resolução de conflitos empresariais no mercado imobiliário e na construção civil. O advogado e engenheiro Francisco Maia Neto foi convidado a debater o assunto com convidados do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon) do Distrito Federal e do Maranhão e da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário.

Francisco deu início à sua fala criticando o abarrotamento de processos do Judiciário, que, para ele, tem enxugado gelo nos últimos anos e onerando o Brasil em cifras muito altas. O especialista classificou a Justiça brasileira como o refúgio de quem não quer honrar seus compromissos, pela demora do sistema.

E é esta realidade que levanta a discussão dos Meios Extrajudiciais de Resolução de Conflitos (MESCs), com foco no setor do mercado imobiliário e na construção civil. “Há uma imensa quantidade de players que se conversam nos contratos deste setor e essas inter-relações fazem com que surjam alguns conflitos, já que nem sempre os contratos conseguem abranger todas as ocorrências”, observou Francisco.

O advogado destacou o uso do chamado Comitê de Resolução de Disputas, que funciona de forma parecida da adjudicação, mas permanentemente. São escolhidos três profissionais de áreas distintas para acompanhar a execução de todo o contrato, com reuniões periódicas, visitas constantes e, quando chamados a atuar, fornecerem assistência, recomendação ou decisão.

Para lidar com os problemas de vizinhança, sempre muito impactada com obras, ele conta uma experiência muito bem-sucedida ocorrida em São Paulo, em que uma ouvidoria foi criada para ouvir as necessidades dos vizinhos e lidarem com esses conflitos de forma preventiva.

O presidente da Ademi, Eduardo Aroeira, defendeu o uso dos MESCs nos contratos do setor. Segundo ele, a maioria dos problemas que surgem não precisam de intervenção do Estado. “Todos sabemos quanto são insustentáveis os processos, então por que não facilitar?”, questionou.

O consultor Jurídico do Sinduscon-DF, Rafael Moreira Mota, também destacou o uso Comitês de Disputa no setor, o que, segundo ele, traz segurança jurídica ao empresário. No entanto, observou ele, é preciso que haja conhecimento do custo-benefício que a medida traz. “Se o pequeno ou médio empresário não souberem quanto custa manter um processo judicial, pode se assustar com o valor de um comitê de disputas”, pontuou.

O assessor Jurídico do Sinduscon-MA, Ulisses Sousa, comparou o Judiciário ao SUS, que é aberto a todos, mas que demora muito. Ele criticou as formas de distribuição dos processos no Brasil, que é por meio de sorteio, o que leva casos iguais a serem julgados de formas distintas. Sousa defendeu um avanço brasileiro ao modelo italiano, que exige que antes de as partes buscarem o Estado, encontrem soluções entre si. “O índice de êxito lá é muito grande”, destacou.

Por fim, a assessora Jurídica da Ademi, Andreia Mourão, defendeu que a resolução contratual, principalmente a que ocorre do simples inadimplemento do preço por parte do adquirente, deveria ser analisada não apenas pelo viés de incidência consumerista, mas também pela situação econômico-financeira do empreendimento e das contratações que o compõem. “Sempre tomando por base a viabilidade da conclusão da obra e a proteção da coletividade dos adquirentes adimplentes”, disse.

A conversa foi mediada pelo coordenador nacional da Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem Empresarial (CBMAE) da CACB, Eduardo Vieira, e o coordenador da CBMAE-MA, Ivaldo Prado.

O vídeo do debate está disponível na íntegra neste link.

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311
A CBMAE é uma das precursoras na disseminação dos MESCs no Brasil. É o órgão operacional da CACB que tem um papel importante na difusão e no compromisso para o processo de mudança da cultura do litígio para a da pacificação e para o aperfeiçoamento constante dos processos de prevenção e gestão de resolução de conflitos empresariais, provocando um ambiente favorável à negociação, de maneira colaborativa e sustentável.
  • Brasília

    Telefone (61) 3321 1311 (61) 3321 1311

    SCS Quadra 3 Bloco ‘A’ Edifício CACB nº 126 - Asa Sul
    Brasília - DF Cep: 70.313-916

  • Belo Horizonte

    Telefone (31) 3078 7000

    Av. Afonso Pena nº 726 15º andar Centro
    Belo Horizonte (MG) Cep: 30.130-003

  • São Paulo

    Telefone (11) 3180 3434

    Rua Boa Vista nº 51 2º Subsolo Centro
    São Paulo (SP) Cep: 01.014-001

  • Espírito Santo

    Telefone (27) 3323 1109

    Av. Nossa Senhora dos Navegantes, 955 Enseada do Suá Edifício Global Tower, Térreo
    Vitória (ES) Cep: 29.050-335

  • Maranhão

    Telefone (98) 3133 5800

    Praça Benedito Leite, 264 Centro
    São Luis (MA) Cep: 65010-080

  • Pará

    Telefone (91) 4005-3900

    Av. Presidente Vargas, 158 Comércio
    Belém (PA) Cep: 66.010-000

  • Santos

    Telefone (13) 3212-8200

    Rua XV de Novembro, 137 Centro Histórico
    Santos (SP) Cep: 11010-151