1. Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil

  2. 27
Home / Notícias / Inflação

Banco Central diz que sua missão em 2016 é uma só, segurar a inflação

23 de dezembro de 2015 - 13:17

Dois dias após a presidente Dilma Rousseff pedir à sua nova equipe econômica para fazer o “que for preciso” para retomar o crescimento econômico, o Banco Central afirmou só ter um mandato, que é assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda.

Ao apresentar as novas projeções para PIB e inflação em 2015 e 2016, o diretor de Política Econômica do BC, Altamir Lopes, afirmou nesta quarta-feira (23) que as taxas de juros vão subir quando e se o Copom (Comitê de Política Monetária) julgar necessário, mesmo em um ambiente de atividade fraca.

Disse ainda que a estratégia da instituição é restringir a inflação de 2016 ao limite de 6,5% e colocar o IPCA em 4,5% em 2017.

Questionado sobre pressões políticas para baixar juros, diante da queda na atividade e do aumento do desemprego, Altamir afirmou que a inflação é tão ruim ou pior que esses problemas.

“Se você conseguir fazer um ajuste e trazer a inflação para a meta, os ganhos para a sociedade são muito maiores”, afirmou.

“O nosso mandato em relação à inflação é um só. É trazer a inflação para a meta. Temos determinação, compromisso, autonomia e instrumentos para agir. E vamos agir se necessário”, disse o diretor.

Para o BC, apesar do aumento do desemprego, os reajuste salariais ainda representam uma ameaça à inflação.

DESEMPREGO

Altamir disse ainda que a inflação e outros fatores que causam incertezas, de natureza política e fiscal, atrapalham o processo de recuperação da economia.

“O empresário está louco para investir. O que a gente precisa é só recompor a confiança, tanto de consumidores quanto de empresas, para esse processo andar.”

Sobre a possibilidade de moderar o ajuste fiscal e monetário para favorecer o crescimento, Altamir disse que o processo poderia ser “um pouco menos dolorido”, mas implicaria em um período mais longo de sofrimento.

PROJEÇÕES

O diretor também foi questionado se as projeções do BC para inflação e PIB eram “realistas e factíveis” como pediu a presidente Dilma na segunda-feira (21) ao orientar a equipe econômica sobre a divulgação de metas.

De acordo com cálculos apresentados no Relatório Trimestral de Inflação divulgado nesta quarta-feira pelo BC, a inflação no próximo ano deve bater em 6,2% frente um teto fixado em 6,5%. E a probabilidade dos indicadores de preços ultrapassarem esse limite é de 41%.

No mercado, a projeção já é de estouro desse limite pelo segundo ano consecutivo. Pelas contas do BC, o país fechará 2015 com uma inflação de 10,8%, a mais alta desde 2002.

A principal divergência, no entanto, se deu em relação à projeção do BC de queda do PIB de 1,9% em 2016, resultado bem inferior aos 2,8% esperados pelo mercado.

 

Altamir falou que as metas do BC são realistas e que a instituição não adota para si projeções de mercado.

Sobre a diferença em relação ao PIB, afirmou que uma queda dessa magnitude é significativa diante da retração de 3,6% esperada para 2015 e que não há muito espaço para cair mais.

Disse também que alguns fatores devem amenizar a retração do próximo ano, como o reajuste real do salário mínimo, com efeitos sobre benefícios sociais, e a queda da inflação.

Fonte: Folha de S.Paulo

Tags

Deixe seu comentário

Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis

  • Neusa Galli Fróes
    Froés berlato associadas

    Erick Arruda
    erick.arruda@cacb.org.br
  • neusa@froesberlato.com.br
    Telefones:
    (51) 3388 6847 / (51) 9123 6847

    E-mail geral da imprensa: imprensa@cacb.org.br
    Contato: (61) 3321 1311