Brasil - 20 de setembro de 2017 - 15:20
Notícias / NOVOS TEMPOS
05 de setembro de 2017 - 10:23

Carta de Intenções pede que o governo gaste menos para evitar déficits letais

Documento foi lido em plenário, durante o Encontro Estadual das ACE’s do Estado de Mato Grosso e Encontro CACB da Amazônia Legal, em Cuiabá

Em Cuiabá, onde participa do Encontro Estadual das ACE’s do Estado de Mato Grosso e Encontro CACB da Amazônia Legal, o presidente da CACB, George Pinheiro, juntamente com o presidente da Facmat, Jonas Alves, assinaram uma Carta com a intenção de colaborar com o debate.

A Carta foi lida em plenário, pouco antes da palestra do deputado Luiz Carlos Hauly, relator da reforma tributária no Congresso. Hauly e o deputado Nilson Leitão levarão o documento ao Congresso Nacional.

Carta de Intenções pede que o governo gaste menos para evitar déficits letais

Os deputados Luiz Carlos Hauly e Nilson Leitão seguram a Carta de Intenções

O presidente da CACB, George Pinheiro, também ficou de encaminhar o documento para a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviços e Empreendedorismo, e que conta com ampla participação de parlamentares.

A íntegra do documento:

CARTA DE INTENÇÕES

NOVOS TEMPOS
ENCONTRO ESTADUAL DAS ACE’s DO ESTADO DE MATO GROSSO
ENCONTRO CACB DA AMAZÔNIA LEGAL

A Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB) e a Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Mato Grosso (FACMAT), neste ato representando as 54 Associações Comerciais e Empresariais Estaduais (ACE’s), manifestam-se por meio desta Carta de Intenções:

O sistema associativista brasileiro e mato-grossense, reunido no Encontro Estadual das ACE’s e no Encontro CACB da Amazônia Legal, no dia 04 de setembro de 2017, em Cuiabá, prima pela defesa das categorias empresariais e econômicas às quais representa; pela aprovação da reforma da Previdência, da reforma política e da reforma tributária; pela melhoria do ambiente de negócios; pela gestão empresarial; pela segurança jurídica; e pela desburocratização e o desenvolvimento dos municípios, dos estados e do País.

Nesse sentido, nós, empresários, queremos mudanças, aceleração do crescimento e geração de empregos. Os governos federal, estaduais e municipais precisam tomar medidas para incentivar as empresas a crescer.

As parcerias e as privatizações aparecem como alternativas de um desenvolvimento econômico, eficaz e produtivo, gerando melhorias, reforços na gestão e na qualidade aplicada ao serviço público. Os administradores públicos devem ver com clareza as possibilidades que a parceria com a iniciativa privada pode oferecer.

Também é fundamental e urgente uma mudança na gestão do País, dos estados e dos municípios para alcançar o equilíbrio das contas públicas. Um estudo realizado pela CACB, com o apoio do Sebrae e conferência do Ministério da Fazenda, apurou que os gastos das prefeituras com os Legislativos municipais ultrapassam o limite legal estabelecido pela Constituição. E este é um dos motivos que estão levando muitas cidades a não conseguirem bancar os serviços essenciais para a população, como saúde, educação e transportes.

Sendo assim, nossas entidades reunidas em Cuiabá estão preocupadas com o impacto negativo dessas práticas na execução de políticas públicas municipais e a consequência disso no desenvolvimento da economia local. Toda essa discussão reafirma a necessidade de gastar menos do que se arrecada, para evitar novos déficits fiscais letais para os projetos futuros de crescimento.

Nesse cenário, é preciso apoiar os objetivos do governo aos quais acrescentamos as reformas que devem contar com nosso apoio e também as medidas que podem contribuir para a retomada do desenvolvimento:

1 – Apoiar as concessões e privatizações. O governo conta com as privatizações para aumentar o investimento. Então é preciso muito cuidado para não perder mais uma vez a oportunidade de deslanchar esse processo.
2 – Mais foco em produtividade. Nos últimos anos, o Brasil vem caindo nesses índices o que torna imprescindível maior eficiência em vários aspectos sobretudo no chamado Custo Brasil.

Cuiabá, 04 de setembro de 2017.

George Pinheiro
Presidente da CACB

Jonas Alves
Presidente da Facmat

Deixe seu comentário
Imprensa CACB - Jornalistas Responsáveis
Revistas